Uma turma formada por dez atendidos pelo Programa de Inclusão Social de Egressos do Sistema Prisional (PrEsp) e pela Central de Acompanhamento de Penas e Medidas Alternativas (Ceapa), ambos desenvolvidos pela Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), conclui, nesta segunda-feira, 17.12, o curso de eletricista predial em Ipatinga. Os egressos do sistema prisional e agora alunos do curso profissionalizante almejam novas oportunidades no mercado de trabalho e se dedicaram para absorver todo o conhecimento prático e teórico das aulas. Eles não buscam apenas um diploma, mas uma capacitação profissional que os qualifique para o mercado.

“A turma é comprometida e participativa. De todos eles, apenas um tinha experiência na parte prática da elétrica, mas não tinha na teórica. Ele, inclusive, auxiliou durante o curso, dando suporte aos colegas nas aulas práticas”, conta o professor, Eduardo Costa.

Com carga horária de 192 horas/aula e três meses de duração, o curso capacitou os egressos do sistema prisional e os cumpridores de alternativas penais para se reinserirem no mercado de trabalho. A iniciativa é fruto de uma parceria da Sesp com a Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap), o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) e a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sedectes). A entrega do diploma acontecerá em janeiro, em data que será acertada junto ao Pronatec.

O curso surgiu de um desejo do público atendido pelos programas PrEsp e Ceapa. Em busca de atender as demandas e expectativas dos egressos e cumpridores de medidas alternativas, a escolha pela modalidade de eletricista predial se deu pela análise do que eles mais demandavam nos últimos atendimentos dos programas, no Centro de Prevenção Social à Criminalidade de Ipatinga (CPC Ipatinga).

Para a gestora do Centro de Prevenção Social à Criminalidade de Ipatinga, Martha Florença Coridola, a parceria tem sido importante para a capacitação profissional, que é uma das principais demandas deste público. “Muitos evadiram da escola e, por terem antecedentes, não conseguem trabalho. O curso de eletricista pode auxiliar nesta reinserção profissional, principalmente porque pode ser desenvolvido de forma autônoma”, observa.  

Sobre os programas de prevenção

O Programa de Inclusão de Egressos do Sistema Prisional (PrEsp) visa garantir o acompanhamento de homens e mulheres que retomam a vida em liberdade após a experiência prisional, buscando favorecer o acesso a direitos sociais e promovendo condições para sua inclusão social.

Já a Central de Acompanhamento de Alternativas Penais (Ceapa) tem como objetivo contribuir para o fortalecimento e a consolidação das alternativas à prisão no Estado de Minas Gerais, pautando ações de responsabilização com liberdade.

 

Por Dayana Silva

 

Foto: Divulgação Ascom/Sesp