Sensibilizados com os baixos estoques de sangue da Fundação Hemominas e com a história de duas crianças que fazem tratamento de câncer no Instituto Oncológico de Juiz de Fora - e que poderiam ficar sem a transfusão de sangue caso os estoques acabassem -, policiais penais e demais servidores administrativos e técnicos do Presídio de Santos Dumont I, na Zona da Mata, se mobilizaram em uma grande ação da doação de sangue. A ideia é contribuir com a continuidade do tratamento dos pacientes do Instituto Oncológico e ajudar a abastecer a demanda do Hemominas.

Segundo a equipe, a iniciativa busca conscientizar não apenas os servidores das unidades prisionais, mas também toda a população sobre a importância da doação de sangue. “Nessa época de pandemia, estamos muito focados somente no coronavírus e, muitas vezes, nos esquecemos das outras doenças. Nosso foco é divulgar e incentivar a doação de sangue e mostrar a importância de essa prática ser feita constantemente”, explica o diretor-geral do Presídio de Santos Dumont, Alexandre Ferrari.

Na última terça-feira (25/8), seis policiais penais, além do diretor-geral, abriram a campanha e compareceram ao Hemominas de Juiz de Fora para realizar a doação de sangue. Já nesta quarta (26/8), outros cinco servidores participam da ação. O número de participantes só não é maior pois é necessário agendamento prévio para evitar aglomerações. “A unidade aderiu em peso. Todos querem participar”, conta Ferrari.

Ao longo das próximas semanas todos os servidores da unidade prisional de Santos Dumont, que estejam aptos a doar, farão, gradativamente, a sua doação. As bolsas de sangue obtidas serão revertidas para os pacientes do Instituto Oncológico de Juiz de Fora.

O policial penal Ernesto Gonçalves Siviero foi um dos primeiros a doar e destaca como a vida se transforma em pequenos gestos: "Com a doação de sangue nós levamos esperança às pessoas".

Texto: Lara Nassif

Fotos: Divulgação Sejusp